7 de abr de 2007

Uma reflexão no jardim

Véspera de aniversário: um pé na soleira dos sessenta anos, um jeito de não é comigo, dou de cara com Heráclito no jardim! "Tudo se move o tempo todo, nada está no mesmo lugar, piscou, já mudou."

Deparei-me com o Tempo enquanto passeava no jardim. Quedei-me a filosofar debaixo do céu onde os deuses inventados pelos homens e o Criador que me inventou no ventre de minha mãe observavam o meu pensar. Pensei na figura de uma vela acesa, chama trêmula a consumir a cêra de abelha, a cêra a alimentar o fogo, o fogo a produzir fumaça e esta a desmanchar a sua essência no ar... Ar no qual voam as abelhas e os anos de minha vida a reafirmar o tempo. Tempo que dá ao meu corpo mais vagar, porém maior faz o vigor e o poder de minha alma cada dia mais alerta .

APÓS ESTE MOMENTO NO JARDIM PERDI O MEDO DO TEMPO. Não há mais receio de caminhos que levam a lugares desconhecidos, por onde antes seguiram amores e amigos. Não cabe mais preocupação pela minha hora e vez porque sei que sou a chama, a fumaça, o ar, como sei também que minha alma vai voar com as abelhas e que sou e serei o néctar, o mel, a cêra, a areia do deserto, a estrela do céu. Assim como sou desde já a gota de orvalho, a célula faceira que brilha no olhar de um filho, de um neto. Sei que apesar de seguir em direção ao futuro, estarei para sempre no presente, trabalhando e existindo. E as fadas continuarão voando ao redor...

Nenhum comentário:

Postar um comentário